Se você quer um mundo melhor, comece pela sua casa!

Há cerca de três anos, com o início da Operação Lava Jato, vozes antes inaudíveis no país começaram a ecoar em todos os meios de comunicação. A população brasileira (a massa) passou a se inteirar melhor sobre assuntos que até então nos causavam ânsia de vômito e muita preguiça. Eu quase nunca ouvia alguém falar sobre economia e política e, de repente, este passou a ser tema de conversas nos pontos de ônibus, nas festas de aniversário, durante um passeio ao parque e, até mesmo, nas baladas de sexta-feira. Era como se uma escultura muito antiga começasse a descascar revelando sua verdadeira aparência.

Eu, que passei a adolescência ao modo maluco beleza de ser, era a legítima cidadã alienada. Meu caminho até os 28 anos foi cheio de utopias e ideias mirabolantes acerca da fé, da paz e da injustiça no mundo. Sempre gostei de estudar Ciências Humanas e, inclusive, me graduei em Geografia. Mas depois de 12 anos na escola e mais 4 na faculdade, continuei com conceitos completamente distorcidos sobre quase tudo.

Eu cultivava uma visão romântica acerca das mazelas da humanidade e acreditava que poderiam existir indivíduos capazes de mudar o rumo da história. Foi justamente por isso que escolhi ser professora: eu achava que poderia mudar o mundo.

Quando comecei a sair do universo da fantasia e caí de paraquedas na realidade nua e crua, minhas utopias começaram a ruir. Uma sala de aula não é algo nada romântico. E a vida não é um palco onde podemos subir para dar o nosso show. A não ser que seja um show de horrores.

Quando eu passei a ser autodidata é que finalmente comecei a entender algumas coisas. E esse “bum” que aconteceu na política brasileira, explodindo o esconderijo dos ratos e obrigando-os a sair da toca, foi essencial para o meu amadurecimento intelectual. Comecei a ler mais, textos de autores diferentes, de fontes distintas, com influências político-filosóficas antagônicas. Comecei a assistir aulas na internet, frequentei um curso sensacional de teologia, mergulhei de cabeça nas estantes de livros de filosofia, teologia e romances clássicos.

Meio que desalienei, pelo menos uns 60%. Isso a meu ver já é bom. Na verdade é muito bom. Quando desembaçamos o para-brisas fica mais fácil enxergar a estrada e conduzir o veículo em direção ao destino que escolhemos como alvo.

Meu repertório aumentou absurdamente e parei de acreditar em um monte de bobagens que eu acreditava piamente serem verdade. Pelo menos agora será mais difícil de eu ser usada como marionete para alguma causa escusa.

Mas, porém, entretanto, todavia, contudo, descobri algo terrível: eu não posso mudar o mundo. Nem eu, nem ser humano nenhum. Para mudar o mundo, o poder teria de se concentrar em minhas mãos. Para o poder se concentrar em minhas mãos, precisaria ser uma ditadora, e para ser ditadora precisaria usar a violência. Quando usamos a violência, o mundo se torna pior. E isso resume a ópera da utopia de sociedade justa.

Quem é “a sociedade”? Falamos “sociedade” como se fosse algum ser com vida própria. Como se “a sociedade” fosse algo externo a nós. Está ali, olha lá a “sociedade”, apontamos com o dedo. TUDO BOBAGEM!

A sociedade somos nós. Eu e você que me lê. É fácil desejar uma “sociedade justa” enquanto eu ignoro o mendigo passando fome na esquina da minha casa. É fácil ansiar por um “mundo melhor”, enquanto dentro do meu lar trato mal a minha mãe, sou agressiva com meus irmãos, sou desaforada com o meu pai, sou egoísta com meu marido, oprimo os meus filhos. Participo de uma passeata contra a corrupção, mas dou o cano a torto e a direito, preocupando-me em me dar bem a qualquer custo. Encho a boca para falar mal do imperialismo estadounidense, mas quando vou à padaria na rua de cima, olho com desdém para meus vizinhos e finjo que não os vi, só para não ter de cumprimentar. Coloco textos gigantescos no Facebook expressando minha indignação, ansiando por curtidas e compartilhamentos, mas ao primeiro colega que comenta algo que não concordo, me torno hostil e o rotulo de todos os adjetivos toscos que vierem na cabeça. A liberdade de expressão só vale quando todo mundo concorda comigo?

Me expliquem que ideia de sociedade justa e mundo melhor é essa que faz com que nos importemos com os que estão longe e esqueçamos dos que estão perto?

C. S. Lewis fala sobre isso ao dar o exemplo da guerra. Durante o conflito, os exércitos ingleses e alemães se odiavam e se digladiavam. No entanto, esse era um ódio mítico. Quando se está em uma guerra, se odeia um inimigo imaginário. Na verdade, os soldados rivais nunca se encontraram face a face para dizer que se odiavam de uma maneira pessoal. Lewis diz que “os ingleses declaravam em alto e bom som que a tortura seria pouco para seus inimigos, mas logo ofereciam chá e cigarros ao primeiro piloto alemão ferido que porventura batesse à porta dos fundos”.

Eu me identifiquei nesse trecho. Quantas vezes odiei as pessoas que militam por causas que eu abomino? Quantas vezes desejei que essas pessoas fossem desmascaradas e presas? Contudo, se qualquer uma delas bater em minha porta pedindo um copo de água fria, certamente eu jamais negaria. Odiar é ruim? É evidente que sim. Mas esse é um ódio mítico. Assim como desejar um mundo mais justo e pacífico é uma benevolência mítica. Enquanto amo e tenho compaixão pelas pessoas de um círculo mais distante, esqueço os da minha própria casa.

Em “Cartas de um Diabo a Seu Aprendiz”, um demônio mestre ensina a seguinte estratégia ao demônio aprendiz: “O que quer que você faça, sempre haverá alguma benevolência, assim como alguma raiva, na alma humana. O melhor a fazer é voltar a raiva da pessoa para os semelhantes mais próximos, aqueles que ela encontra todos os dias, e voltar a benevolência para um círculo mais distante, para as pessoas que ela não conhece. Desse modo, o ódio torna-se completamente real e a benevolência, em grande medida, imaginária”. No final ele conclui: “Nem mesmo todas as virtudes pintadas pela fantasia ou aprovadas pelo intelecto, ou até, em alguma medida, adoradas e admiradas, serão suficientes para afastar um homem do inferno”.

Forte isso? É para ser mesmo. Para deixar esse gosto amargo que você está sentindo na boca . Se você quer um mundo melhor, comece pela sua casa!

Para que as virtudes ajudem a nos tornarmos seres humanos melhores, mais justos, honestos, benevolentes, e, consequentemente, produzam uma sociedade mais justa e um mundo melhor, elas precisam parar de ocupar apenas o campo da imaginação e do intelecto. Precisam ocupar o campo da vontade, o verdadeiro centro de nosso ser que é o coração. Precisam ser praticadas com as pessoas que nos cercam e se materializarem como hábitos.

Talvez aqui seja bom relembrar um mandamento que todo mundo sabe de cor, mas que quase ninguém sabe como colocar em prática: “ame o teu próximo como a ti mesmo”. 

Nesse caso, não é o amor afetuoso e apaixonado. É um amor bem maior. Deixarei você pensar sobre isso. Talvez eu fale sobre esse amor em outro post. Mas acho que você deve desconfiar sobre que tipo de amor estou me referindo.

 

Referências:

C. S. Lewis. Cartas de um Diabo a Seu Aprendiz. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s